Tuesday, November 6, 2012

Descobrindo o Propósito da Vida (Programação Existencial)


- por Manori Sumanasinghe

Estava a falar com alguns dos meus familiares e amigos, quando reparei num tema comum que vinha sempre à tona. Qual é o propósito da vida? Existe alguma coisa seja suposto fazermos aqui? Qual é o potencial?

Referi-me ao que tenho aprendido através de minhas experiências de vida e da Conscienciologia. Pessoalmente, tenho usado algumas técnicas nos últimos 15 anos que me ajudaram a obter insights sobre qual poderá ser o meu propósito de vida.

Uma vez cheguei à IAC e fiz o Programa de Desenvolvimento da Consciência e alguns outros workshops, onde aprendi sobre o conceito de Programação Existencial.
 A Programação Existencial é semelhante ao propósito de vida, que é menos exato em transmitir o conceito.

Programação Existencial, como definido no próximo livro de Luis Minero “Desmistificando a experiência fora-do-corpo", é o plano, a agenda, para organizar o tempo durante a vida intrafísica da consciência: missão de vida.

É um assunto que tem sido amplamente estudado por académicos dentro da comunidade conscienciológica como o Dr. Waldo Vieira e Wagner Alegretti. Fora da Conscienciologia, existem académicos como Viktor Emil Frankl, MD, Ph.D., que também escreveu sobre este tópico. O empresário americano Tony Robins construiu uma carreira em treinar  pessoas para identificar o seu potencial na execução do seu propósito de vida.

Neste artigo, procuro sintetizar muitas ferramentas e técnicas que podem ser utilizadas na identificação e execução da programação existencial de cada um.

1.0  – Mitos

Idade: Você pode ter 18 ou 65 anos de idade: nunca é tarde para começar a pensar sobre a programação existencial. Mesmo que grandes oportunidades tenham sido perdidas e se a realização do seu potencial original pode parecer improvável, nenhuma realização evolutiva é um desperdício, especialmente se pensarmos na teoria das sucessivas existências (séries existenciais, o renascimento, a reencarnação). O mero interesse neste assunto poderia significar que tem dado considerável atenção a questões como "Qual é o propósito da vida? Existe sentido nesta vida?" Fazer a pergunta certa é o primeiro passo na direção certa

Limitações: Todos nós temos limitações que podem prejudicar o ritmo do nosso crescimento, mas podemos ser tentados a dar essa desculpa. Ouvimos as pessoas dizerem com frequência "Ah, se eu tivesse a condição xyz", "se eu tivesse dinheiro suficiente." Em vez de nos concentrarmos no que percebemos serem as nossas limitações, podemos escolher contemplar as oportunidades.

2.0 – Técnicas

2.1– Escrita:

Escrever é uma ferramenta poderosa que nos pode ajudar na nossa evolução. Não apenas na organização de ideias, mas também pode ser muito benéfico na plena formação, desenvolvimento e definição de uma determinada ideia que concebemos.

Pode usar uma caneta e papel ou o computador, o que for o método mais conveniente para si para a prática deste exercício.

Esta técnica requer que, todos os dias, se sente e escreva por 10 minutos, a primeira coisa a fazer de manhã e a última à noite. Comece por escrever o que lhe vier à mente. Quando você tiver treinado a sua mente ao ponto a que as suas ideias fluam com bastante facilidade, escolha uma ou uma série de perguntas sobre a sua programação existencial, diariamente.

Exemplos de questões:
- Quais são os meus traços fortes e quais os traços fracos?
- Quais são os meus princípios (declarados ou na teoria) versus os meus  valores (na prática) na vida? i.e.
- O que é mais importante na minha vida? (i.e.: família, carreira, ajudar os outros, etc.)
- Quais são as minhas metas para o próximo ano, daqui 2 a 3 anos, 5, 10, 15, 20-25 anos e assim por diante?

Continue a escrever por 15-30 minutos todos os dias até que tenha esgotado as idéias  e não possa adicionar mais respostas detalhadas às perguntas. Depois de fazer este exercício todos os dias durante, pelo menos, uma semana, arranje tempo para compilar e sintetizar as informações.

2.2 – Condicionamentos

Uma das mais importantes metas deverá ser , também, reverter o condicionamento social e cultural. Limitamo-nos, com frequencia, desnecessariamente. Aqui, precisamos de aplicar a ideia de sonhar em grande. Para isso, existem duas técnicas que pode empregar:

1- Nenhuma limitação técnica: se tivéssemos todo o tempo, recursos financeiros e outros que possamos querer,  se tivéssemos todas as oportunidades que alguém pudesse ter e se tivesse as condições certas para fazer qualquer coisa que nos apetecesse, o que cada um de nós faria com as nossas vidas, para nós próprios e para os outros? Uma vez que somos livres para pensar grande, podemo-nos inspirar e, em seguida, procurar meios de pôr em prática com uma engenhosa, diligente e criativa atitude de “Eu posso”.

2- Técnica de um ano de vida: se cada um de nós descobrisse que tinha apenas mais um ano de vida, quais seriam as nossas prioridades? E como as executaríamos? Quais são as prioridades ou preocupações que se tornariam menos relevantes?

Sugestões de leitura sobre esta técnica:

. ” Chasing Daylight: How My Forthcoming Death Transformed My Life” by Gene O’Kelly
.  “One more Year of Life Technique,” Journal of Conscientiology, No. 17

Sugestão de Video sobre esta técnica:

. Randy Pausch Last Lecture: Achieving our Childhood Dreams


2.3 – Características Pessoais

Isto ajuda a saber aquilo em que somos bons (traços fortes), aquilo em que não somos bons (traços faltantes) ou características indesejáveis que possamos ter (traços fracos). Fazer uma lista de muitos dos traços fortes, fracos e faltantes na medida do possível irá ajudar-nos a conhecer as nossas capacidades pessoais.

Podemos encontrar maneiras de aplicar os traços fortes na abordagem dos  traços fracos. Esta ferramenta altamente auto-crítica e de auto-análise é uma das técnicas discutidas em profundidade no curso de Wagner  Alegretti “Programação Existencial”. 
     
 Pode começar a olhar diariamente para esta lista e começar a fazer adições. Além disso, deve tentar identificar os seus traços fortes, de forma a elaborar maneiras de usá-los na superação de certos traços fracos.

. Alguns exemplos de traços fortes: organização, carisma, confiança, discurso público, concentração, dedicação.
. Alguns exemplos de traços fracos: desonestidade, procrastinação, negatividade, mau-humor, descuido.
      
Praticando esta técnica ainda mais, pode avaliar quais dessas características herdou da sua família ou da sua cultura, e quais são os traços mais fortes e os mais fracos; como usar essas características para melhorar a si mesmo; também será útil perguntar aos seus amigos próximos e familiares – bem como algumas pessoas que podem ser críticos    consigo – para lhe dar uma lista do que, na visão deles, são os seus traços fortes e traços fracos.

2.4 – Planeamento

Esta metodologia pode ser uma parte da técnita da escrita e requer a utilização de cartas, listas, gráficos ou qualquer outro auxílio visual, que o pode ajudar a planear melhor. Primeiro, identificar os aspectos mais importantes da sua vida, como seja carreira, família, crescimento pessoal, assistência, etc. De seguida, para cada uma dessas categorias, fazer um conjunto de objectivos: imediato ou a curto prazo, médio ou longo prazo. Metas de curto prazo são divididas em 1 ano, 2 anos e até aos próximos 5 anos. Médio prazo são os próximos 10 a 15 anos. Longo prazo será de 25 a 30 anos e assim sucessivamente. Por exemplo: no próximo ano, vou voltar à escola para fazer três disciplinas como estudante em part-tim 

3.0– Conclusão

 A chave para o sucesso com muitas destas técnicas é o compromisso. Se aplicadas de forma consistente, os modelos surgem a partir desses exercícios. O que vai começar por mudar? À medida que passamos mais tempo na auto-avaliação e investigação, as ideias vão-se tornando mais definidas e claras e novas ideias surgem.

Identificamos o que é positivo, o que é preciso melhorar, o que gostamos e no que realmente nos queremos tornar. Vamo-nos conhecer mais. Além disso, como resultado de saber quem somos e o que queremos, começamos a identificar mais oportunidades que nos surgem no nosso percurso, sendo assim capazes de tirar maior proveito delas. Quanto mais praticarmos e quanto mais alinhados estamos com o nosso potencial, mais compreendemos o que é a nossa programação existencial. Escrever também reforça a nossa vontade e determinação e pode criar sincronicidades positivas.

 Parafraseando Alfred Lord Tennyson, é melhor ter tentado e falhado do que nunca ter tentado de todo. Podemos acabar por descobrir que não é o caminho correto. Através de um processo de eliminação, podemos diminuir o campo e, gradualmente, descobrir o nosso propósito.

Howard Thurman disse que "não te perguntes do que o mundo precisa e tentar ser e faz. Pergunta a ti mesmo o que te faz sentir vivo e depois fá-lo. Porque o que o mundo mais precisa, desesperadamente, é de pessoas que tenham vida!" O mais provável é que você se vá sentir muito forte e muito apaixonado pelo seu propósito de vida uma vez que o encontre. Em vez de fazer o que parece bem ou o que alguém nos diz para fazer, cada um de nós pode fazer o que sentimos ser o certo.

Outra coisa acerca do propósito da vida é que nós podemos pensar muito sobre o assunto e fazer toda a análise, mas se não agirmos, não será lá muito frutífero. Assim, enquanto é sábio gastarmos o nosso tempo sobre o que fazer, não queiramos esperar até que todos os detalhes surjam. Na maioria das vezes, começando e dando o próximo passo, eventualmente isso leva-nos ao destino final mais rapidamente do que ficando na expectativa de ver toda a conjuntura. É mais fácil corrigir o curso de um objecto em movimento, do que vencer a inércia de um que seja. “Fale o pensamento, e caminhe a palavra!”

Muitas das técnicas e ideias  para este artigo são baseadas nas publicações do Dr. Waldo Vieira, como “ Projecciologia”  e “Manual da Proéxis”. Curso núcleo da IAC “,Programa de Desenvolvimento da Consciência (CDC);  IAC  Avançado 1: curso de auto-conhecimento; curso “Programação Existencial”, de Wagner Alegretti, curso “Potencial Humano”, de Gabriel Sereni; técnica “Consciential Bootcamp" de Rob Dugan e as minhas próprias experiências pessoais.

Se deseja aprender mais sobre este assunto, inquira com a office da IAC mais perto de si para saber quando pode começar.


Manori Sumanasinghe é voluntária na IAC Los Angeles Education Center. 

No comments:

Post a Comment