Sunday, May 12, 2013

FORA DO CORPO…FORA DA CAIXA...

O que isto significa?

Numa clássica experiência fora do corpo (EFC), você vê-se, temporariamente, fora do
invólucro da consciência (alma). Este invólucro é o corpo físico. Por mais necessário
e agradável que seja, o mesmo traz restrições para a nossa essência (consciência,
alma), permitindo-nos perceber apenas a dimensão física, requerendo a nossa atenção
maioritariamente sobre os cinco sentidos.

Então o que acontece quando se sai do corpo? Nesta condição, você está literalmente
fora da caixa (cérebro) e pode ver com o seu corpo sutil - o chamado corpo astral - não
se aplicando nenhuma das limitações ou leis físicas.

Isto significa que se pode voar, viajar entre locais nas dimensões não físicas à
velocidade do pensamento, atravessar objectos e estruturas físicas e muito mais.
Nalgumas dimensões, quando as condições estão optimizadas, nós podemos até ter
uma lucidez maior do que é possível fisicamente, ter uma visão de 360 graus, vendo
mais cores e ter maior agudez mental. O cheiro, a audição e a intuição também ficam
mais apurados.

learnobes.com



Acresce dizer que há maior acesso a informação sobre vidas passadas, estando este
normalmente mais limitado quando estamos dentro do corpo.

Com o corpo astral, nós podemos explorar as dimensões não físicas, que são as
mesmas em que nos encontrávamos antes de nascermos e para onde voltaremos após
a morte do nosso corpo físico. Aqui nós podemos encontrar familiares e amigos que já
faleceram e outros seres, tais como guias espirituais.

O interessante consiste no facto de podermos vivenciar que continuamos a existir após
a morte. Uma experiência fora do corpo (EFC) pode servir de prólogo da própria morte,
proporcionando a certeza íntima da nossa natureza enquanto consciências.

Muitas das pessoas que tiveram esta experiência perderam completamente o medo
da morte. Concomitantemente, nós podemos encontrar as respostas quanto ao nosso
objectivo de vida (missão de vida), pois acedemos a um maior conhecimento sobre nós
próprios e à nossa história enquanto espíritos.

Tendo em consideração que neste estado somos literalmente capazes de pensar fora
da caixa, ficamos com uma perspectiva de vida mais expandida, com novas inspirações
e ideias.

Esta compreensão tem muitas vezes impacto na evolução pessoal e no crescimento
espiritual, pelo que a experiência fora do corpo (EFC) pode ser utilizado como um
instrumento para provocar e dinamizar este crescimento espiritual e auto-evolução.


Para aqueles que nunca tiveram esta experiência, tudo isto pode parecer ficção
científica, mas as boas notícias consistem no facto de que sair do corpo consiste numa
habilidade que qualquer pessoa pode aprender e desenvolver. Não é necessário ter
qualquer dom especial, apenas vontade, tempo e treino.

É por essa razão que me tornei num pesquisador da IAC - Academia Internacional da
Consciência – sendo voluntário há mais de 15 anos, dando aulas por todo o mundo e
ter escrito o livro “Desmistificando as experiências fora do corpo”.

Eu, tal como muitos outros colegas voluntários, fazemos isto para permitir que outros
tenham as suas experiências fora do corpo (EFC). A partir do momento em que tem
a sua própria experiência fora do corpo com lucidez, explorando directamente as
dimensões não físicas, todas as coisas que mencionei anteriormente, deixam de ser
uma questão de crença ou uma teoria interessante, tornando-se conhecimento e
experiência directa e nada é mais poderoso do que isto.

Prefere ler filosofia ou qualquer teoria sobre a alma ou experimentar por si próprio o
que é estar na condição natural de espírito?

Provavelmente a última opção é a verdadeira!


Escrito por Luís Minero (IAC California, director do Dep. de Edução da IAC),
autor do livro Demystifying the Out-of-Body Experience (De-mistificando a Experiência Fora do Corpo)

Tradução do original em Inglês: IAC Lisboa 

O prof Luis Minero neste momento apresenta o seu livro na Europa:

Frankfurt, Alemanha: May 10 to 12, 2013
Londres, Reino Unido: May 28 to 31, 2013
Amsterdam, Holanda: June 1 to 3, 2013

No comments:

Post a Comment